Escolha o tipo de Receitas

 
Hoje partilho convosco a minha experiencia sobre a técnica de desidratar e os meios para o fazer.                                                                                                                                                             Confesso que para mim ainda é uma técnica recente. Comprei um desidratador simples, dos redondos e quando tenho um tempinho parto à descoberta pesquisando e ensaiando.
Quando comecei, há cerca de 4 anos, havia muito pouca informação. Comprei um livro em pdf mas não me adiantou muita coisa, por isso criei dos primeiros grupos no Facebook sobre este tema - Desidratação de legumes e frutas para fãs e curiosos,  com o intuito de encontrar pessoas que estivessem “na mesma onda”.
O que me levou a comprar o aparelho foi esta minha curiosidade e necessidade de experimentar coisas novas, que me é inerente e que me faz sentir viva, mas foi sobretudo por querer fazer chips de legumes, produto que uma amiga estrangeira me ofereceu numa visita que lhe fiz. Fiquei apaixonada e queria muito aprender a fazer e se possível melhorar pois que me apercebi que eles eram muito oleosos e temperados de forma excessiva. Mas estou a conseguir a fazer muita coisa menos os tais chips. Comprei também a pensar em aproveitar a fruta do quintal.
Desidrato fruta que consumo como snacks ou em bolos (no bolo rei fica um espetáculo) e quando já aproveitei a do quintal, tento comprar nas épocas em que a fruta que pretendo, esteja mais barata. Adoro fazer uva desidratada, é deliciosa e muito superior à que compramos. Banana também fica bem, estaladiça e docinha. A laranja e o limão ficam muito rijos, por isso ou uso para decoração de pratos, para chá ou então moo para depois usar em bolo como se fosse raspa de limão. A ameixa  é também muito interessante, seco-a inteira e fica mais rijinha, praticamente só dá depois para consumir demolhada ou cozinhada. Dióspiros, do tipo rijo, também ficam muito agradáveis. A maçã fatiada fininha fica bem crocante.                                                                                                                                            Algas, sim é um sucesso! Apanho-as na praia, lavo-as muito bem e seco-as no desidratador.
“Arroz pan” um snack delicioso parecido com a hóstia chinesa, mas muito superior em qualidade, crocância e sabor, também se seca muito bem neste aparelho.
Ervas aromáticas secam rapidamente e preservam mesmo muito o seu aroma, aliás são as melhores de sempre que podem obter, não tem nada a ver com as de compra.
Legumes o que consegui até agora foi desidratar legumes previamente cozinhados como cenoura, bardanda em kimpira (palitos), raiz e lotus, mas também seitan, tofu e massa de arroz integral cozinhados.
Mas porque desidrato estes legumes assim? Porque em cru ainda não lhes encontrei o ponto ideal porque com este processo posso preservar legumes que não consigo encontrar durante o ano inteiro e acima de tudo porque posso levá-los de viagem e fazer sopa de miso (veja aqui a receita da sopa de miso) com eles, ou mesmo um cozido de legumes.
Qual aparelho comprar?
Já existem no mercado vários tipos de aparelhos desde solares a elétricos, dos mais caros e sofisticados aos mais simples e baratos.
Também se pode fazer no forno a 60 graus e com a porta semi aberta.
Já vi à, venda uns desidratadores solares em que o sol não bate diretamente nos alimentos mas não sei se funcionam bem. Um amigo comprou um assim artesanal e não resultava, mas poderia estar mais construído…
Há quem desidrate ao sol ou em forno solar com a porta semi-aberta, mas não acho que seja a melhor técnica para alguns alimentos pois que podem correr o risco de escurecerem. Experimentei secar alga kombu no meu forno solar e ficou castanha, parecia queimada. Para ervas aromáticas também não aconselho.
Aconselho a pesquisarem bem antes de comprarem um. Nos dias de hoje graças às redes sociais e a plataformas como o You Tube, temos essa oportunidade. Pode dar um pouco de trabalho mas vale a pena, pudemos aprender muito antes de comprar qualquer coisa. Inscrevam-se em grupos, vejam o que se diz, façam, perguntas.
Não vos aconselho a investir logo muito dinheiro num aparelho, optem por um mais simples, podem atém comprar em segunda mão, para perceberem se querem mesmo “praticar esta modalidade” e para perceberem como ele funciona. Então mais tarde, se gostarem da brincadeira, se virem que vos é útil, invistam num melhor.
Os desidratadores mais comuns são os redondos cujas prateleiras se sobrepõem umas às outras, que é o caso do meu, mas tenho ouvido dizer que os quadrados acabam por levar maior quantidade. Os de gaveta também parecem ser interessantes e mais práticos para controlar o ponto de secagem, para virar as fatias, etc.
Mas não pensem que desidratar é fácil e rápido!
Os preguiçosos e ocupados que tirem essa ideia da cabeça!
Desidratar dá um certo trabalho, precisa duma certa dedicação e mais do que aprender e a ensaiar, precisa de dedicação, de tempo e disposição pois que convém:
- Fatiar a maioria dos alimentos para secarem mais rapidamente e também para facilitar o seu consumo. Pode ser com uma faca ou mesmo com máquinas tipo as de cortar queijo no supermercado, ou um ralador;
- Passar as fatias por água com 1 pitada de sal ou sumo de limão para não oxidarem;
- Acompanhar a secagem, pois antes que as fatias sequem totalmente, convém virá-las uma por uma para não colarem no tabuleiro, senão ao retirar pode partir-se tudo;
- Confirmar/descobrir o ponto ideal de secagem por exemplo, eu gosto mais da uva passa menos seca, mais molinha, mas se a colocar simplesmente num frasco ela fermenta, ganha bolor, terá então que ser congelada, ou secá-la totalmente;
- A duração da secagem varia muito consoante a espessura e a quantidade de água do alimento, alguns podem levar mais do que um dia a secar.
- Guardar em frascos, de preferência hermeticamente fechados para que a humidade não entre. Ou em sacos fechados a vácuo;
- Colocar o aparelho num lugar arejado, de preferência debaixo duma chaminé ou perto de janela aberta porque “perfuma” se calhar, mais ainda do que os cozinhados que fazemos. Por exemplo ao desidratar algas, cebola ou alho o “perfume” é bem forte!
Perante estas dicas, fruto de alguma experiência e com algum banho de realidade e de sinceridade, agora já têm mais informações para decidirem se querem ou não investir num desidratador.

Dia Europeu da Alimentação e da cozinha saudáveis

A insalivação é tão poderosa que tem propriedades curativas.

Celebrou-se mais um dia dedicado à sensibilização para a necessidade da boa alimentação.

Nos dias de hoje existem inúmeras e variadíssimas "linhas" de alimentação saudável e vocês já conhecem há muito a Minha Linha Vitalizante e Educativa.  

Independentemente da escolha de cada um, há um fator importantíssimo e que é imprescindível e transversal a todas estas linhas: A boa mastigação, em conjunto com a Boa Insalivação, e é dela que vos falarei hoje.

Assim como uma boa alimentação perde muito do seu poder sem uma boa mastigação, esta perde ainda mais poder sem uma Boa Insalivação. Poderei até arriscar a dizer que uma mastigação sem uma boa insalivação, não pode ser considerada correta, nem benéfica.

Sim, pode parecer banal o que eu estou a dizer mas na verdade, muitos de nós já esquecemos este pequeno grande detalhe que é a insalivação.

Sim, a Boa Insalivação influencia não só a tua saúde, como a tua Vida!

Ao colocar os alimentos na boca, há que mastigar e insalivar tão bem que os alimentos ficam até mais saborosos e até adocicados.

Recordo que enquanto mastigamos os alimentos devemos envolve-los bem com a saliva, mastigando no mínimo 30 vezes cada porção de alimento.

É um processo meditativo, que ajuda a extrair ainda mais o sabor dos alimentos e nos sacia mais, levando-nos a comer menos quantidade.

Segundo a filosofia oriental, a saliva é um líquido repleto de energia electromagnética com propriedades curativas

Uma insalivação correta beneficia a digestão, fortalece os dentes, alcaliniza o organismo, é relaxante, diminui o desejo por doces, fortalece a nossa capacidade de raciocínio, entre outros.

Poderemos Assim Reafirmar que a Boa Insalivação tem poderes de Auto Cura, de reequilíbrio do nosso corpo num todo.

Sei perfeitamente que este simples ato pode ser muito complicado de praticar nos nossos stressados dias, confesso que eu mesma, por vezes, me esqueço dele. Mas por ter a plena consciência das consequências desta falha vos digo e repito:

Mastiguem e Insalivem Bem os vossos alimentos e verão que as vossas vidas terão muito mais qualidade. E sobretudo insalivem muito, muito bem os alimentos que consideram que não são tão saudáveis, apesar de poderem ser saborosos, pois que a saliva poderá neutralizar muitos dos malefícios dos mesmos.

Vá lá Mastiguem

Vá lá, vá lá INSALIVEM!

Boa e Vitalizante Insalivação

<iframe src="https://www.facebook.com/plugins/post.php?href=https%3A%2F%2Fwww.facebook.com%2Fmedia%2Fset%2F%3Fset%3Da.2309944895798403%26type%3D3&width=500" width="500" height="783" style="border:none;overflow:hidden" scrolling="no" frameborder="0" allowTransparency="true" allow="encrypted-media"></iframe>

 

“Hummmmmmm Nham nham”!!!!

O inhame é um tubérculo, da família da batata-doce e do cará, por isso é encontrado debaixo da terra.

Este melhora o funcionamento do sistema imunológico, a qualidade do sangue e, por ser altamente nutritivo e medianamente calórico, é uma boa opção também para quem está de dieta.

Apesar de existirem poucas pesquisas científicas sobre as aplicações médicas e os respectivos resultados, ele já é muito conhecido popularmente, no dito “senso comum”.

O inhame é um rizoma rico em carboidratos sendo uma excelente fonte energética. Também é rico em vitaminas do complexo B e sais minerais como cálcio, fósforo e ferro. É de digestão fácil e rápida. Pertence à família Aracea, assim como o cará e a taioba.

É uma boa fonte de manganésio, um mineral que ajuda no metabolismo dos hidratos de carbono e é um co-factor de várias enzimas importantes na produção de energia e de defesas antioxidantes.

É rico em amido, carboidratos, fonte de beta-caroteno, vitamina C, vitaminas B1(importante no crescimento das crianças) e B5 (auxilia o sistema imunológico). Contém minerais, cálcio, fósforo e ferro. É um alimento especialmente recomendado na prevenção de doenças como dengue, malária e febre-amarela.

Desintoxicante e depurativo, é recomendado para o tratamento de doenças como reumatismo, artrite, ácido úrico, inflamações em geral, viroses e micoses.

Fortifica os gânglios linfáticos, no tratamento de cólicas, espasmos musculares, asma. As suas propriedades Antiespasmódicas e anti-inflamatório tornam-no útil para tratar cãibras no estômago.

Ele é composto por vários tipos de fito-hormônio, sendo o mais famoso, o diosgenina beneficiando sobretudo a saúde feminina:

No aumento da fertilidade, este fito-hormônio, no corpo transforma-se em outro hormônio chamado dehidroepiandrosterona (DHEA) que, dentre outras funções, é responsável por modular a produção dos hormônios femininos, como a progesterona e o estradiol (principais hormônios sexuais femininos);

Sob a forma de “diosgenina transformouse” é um tratamento alternativo para os calores, o ressecamento da mucosa e para o equilíbrio hormonal;

Ajuda a reduzir a irritabilidade durante a tensão pré-menstrual", que no fundo não passa dum desequilíbrio do corpo provocado pelo estilo de vida que se leva, sobretudo por uma alimentação desequilibrada;

Por este e talvez também por outro motivos, que há muito tempo o inhame tem sido usado pela indústria farmacêutica em geral.

Este tubérculo tanto pode ser utilizado na culinária como em tratamento externo sob a forma de cataplasmas na pele.

Na culinária:

Apesar de algumas pessoas afirmarem que este pode ser consumido todos os dias, eu não o recomendo pois que sendo este um tubérculo que para além de alimentar, desintoxica o organismo e sendo a desintoxicação feita basicamente através dos intestinos e nos rins, pode haver uma sobrecarga dos mesmos e podemos adoecer seriamente.

Também não recomendo que ele seja consumido cru, pois creio que é muito forte e duvido que tenhamos capacidade do assimilar sob esta forma.

A forma mais simples é de cozê-lo com casca como se fosse uma batata e depois descascá-lo, cortá-lo e servir com um pouco de azeite ou um molho de tahin, miso, etc.

Mas também fica muito bem em croquetes, puré, patés, tartes, sopas (em especial na sopa de miso) etc. Pode ainda ser frito.

Cataplasmas

Segundo o professor Tomio Kikuchi em “Autocuraterapia” o cataplasma de inhame é utilizado contra dores, inflamações, doenças internas febris e inflamativas, contusões com ferimento etc

Por incrível que possa parecer é também é muito útil para atrair objetos estranhos para fora do corpo como por exemplo espinhos, estilhaços de vidros e até gases esquecidas dentro do corpo em cirurgias.

Antes de o aplicar devemos colocar um pouco do inhame no dorso da mão para ver se produz irritação da pele. Se assim for, convém passar primeiramente óleo de sésamo sobre a pele e posteriormente aplicar o cataplasma.

Como comprar:

Como em tudo na vida, é importante saber comprá-lo, ele encontra-se muito em hipermecados juntamente com os legumes exóticos como a mandioca, etc. Já se encontra também em alguns estabelecimentos biológicos.

Devemos prestar atenção à firmeza. Se tiverem áreas amolecidas ou sinais de brotação (acontece muito no verão), devem estar estragados. Escolha os mais “lisinhos”. O inhame não precisa ser conservado no frigorífico, desde que fique num local arejado. Dura até 10 semanas, mas, se for guardados no congelador, chegam a resistir por seis meses.

Como podem ver este é um tubérculo fantástico que nos faz esquecer a batata.

E quando o provarem não vão querer outra coisa, sim porque tal como disse no início “Hummmmmmm Nham nham”…..

É UMA DELÍCIAAAAAAAAAAAA!!!!!!!

Fontes:

http://www.frutasnobrasil.com/inhame.html

http://revistavivasaude.uol.com.br/saude-nutricao/105/artigo243813-1.asp/

https://www.conquistesuavida.com.br/noticia/inhame-e-fertilidade-voce-sabia-que-esse-alimento-pode-facilitar-a-gravidez_a6997/1

Livro “Autocuraterapia” Tomio Kikuchi Musso publicações

A minha experiência de 25 anos de estudo

Uma vida Vitalizante para todos

Curso de Sushis e Onigiris Vegetarianos e arroz integral

Este curso é fruto das várias mensagens que tenho recebido a pedir workshops com este tema. Mas é também um reflexo da minha necessidade de transmitir-vos a importância do arroz integral, bem elaborado, na nossa alimentação e as diversas formas do consumir.

Sendo a possibilidade de variedade tão extensa, percebi que o melhor era criar um curso composto por 4 Workhops.

O próximo será nos sábados: 19 e 29 de Outubro e 9 e 17 de Novembro entre as 15h e as 19.30. Não podes nesta altura? Contacta-me.

Apesar disso, cada workshop é “independente” ou seja, cada um terá a formação necessária para criarem alguns modelos de sushis/Onigiris.

Aprender as várias formas de preparar sushi e onigiri permite receber também formação sobre uma alimentação Saudável e vitalizante:

- Saber selecionar os melhores ingredientes e conhecer as suas propriedades;

- Saber selecionar os melhores métodos de preparação dos alimentos;

- Cozinhar um bom arroz Integral;

- A melhor forma de preparar legumes;

- Preparar sopas;

- Conservas rápidas para facilitar a digestão.

- Estes menus não têm gluten na sua composição

Menu Provisório

Workshop 1

Sopa de miso com inhame

Arroz socado integral n a panela de pressão

makisushi

Chirashi Sushi

Onigiri

Onigirazu

Conserva rápida de pepino com gengibre

Workshop 2

Creme de arroz demolhado

Arroz socado na panela de pressão

makisushi

Sushi frito

Yaki - Onigiri assado

Conserva de nabo

Workshop 3

Sopa de miso com tofu

Arroz integral na panela de pressão

Onigiri com furikakis

Onigiris recheados

inarisuhi tesourinho

Temaki

Nabo ralado

Workshop 4

Sopa de arroz e quinoa

Arroz integral na panela de pressão

Nigiriburger com Hanburger de tofu

Nigisushi

Uromaki

Shakin sushi – envolvido em omelete de ovo

Conserva de nabo

Contribuição:
Curso completo - "115 feijões"
Um workshop - "35 feijões"
Certificado de presença para quem fizer o curso completo.

Inscrições e Dúvidas 963624649
ou This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

Formadora Paula Perdigão com 32 anos de experiência na alimentação Vitalizante. Saiba mais sobre a formadora em: http://culinariavitalizanteeducativa.com/index.php/pt/component/k2/itemlist/search?searchword=quem+sou&categories=

Cozinhar é arte fundamental da vida, uma meditação, um momento especial em que cuidamos de nós e dos nossos.

Culinária Vitalizante e Educativa é um método ecológico e sustentável direccionado para o pequeno grande planeta que é o corpo humano

Dia Mundial do Vegetarianismo

Que poderei dizer neste dia?
Felicitar todos os vegetarianos pelo seu dia?
Mas acredito que para um vegetariano, todo o dia é dia de vegetais

Ok, ok, é uma forma de sensibilizar a população para esta opção de vida e aprender, no mínimo a respeitá-la.

Mas eu sinto-me na obrigação de Alertar os Vegetarianos!
Não sejam vegetarianos à toa!
Sim, do tipo já não como carne nem peixe e o resto fica tudo igual.

Não consumir proteína animal exige muito mais do que isso e é uma grande oportunidade de mudarmos muitos dos nossos padrões de vida menos positivos.
Ao recusarem as proteínas animais, há que estudar ondes estão os nutrientes necessários para o vosso organismo no reino vegetal.
Deixo algumas dicas:
Comam cereais integrais tais como arroz integral, quinoa, aveia. Comam pão integral bem feito com pouco fermento. Refiro-me a cereais em grão e não aos que vêm em pacotes ou caixinhas para o pequeno-almoço...;
Evitem os enlatados, os ditos produtos alimentares industrializados e "fast-foods" que estão cheios de químicos, açúcar e muito poucos nutrientes.
Atenção ao Açúcar! Ele por si já é mau para a saúde, se não comermos produtos animais, o seu efeito é ainda muito mais nefasto, rouba os sais minerais do corpo, sobrecarregando-o e prejudicando acima de tudo o fígado. Para além disso causa dependência, depressão, diabetes, entre outros males.
Por fim alerto que, apesar de inicialmente puderem estar a sentirem-se muito bem, a longo prazo podem prejudicar seriamente o vosso corpo.
Por isso repito, estudem bem;
Procurem conhecer as várias vertentes de alimentação natural que existem;
Troquem ideias com pessoas com mais experiencia (certamente elas terão muito para contar entre sucessos e até alguns fracassos);
Façam consultas médicas, sejam de medicina convencional ou alternativa;
Frequentem Cursos de Cozinha!
Desejo-vos um dia, melhor, uma vida Plena de Alegria e Saúde!
Abraço Vitalizante

 

1 Pepino de preferência o de tipo “inglês comprido”

1 raiz bem tenrinha de gengibre

1 colher de chá de sal

Molho:

1 colher de sopa de vinagre de arroz ou de maçã

1 colher de sopa de óleo de sésamo ou de azeite

3 colher de sopa de Shoyu (molho de soja)

Esfregue um pouco de sal no pepino e role-o na tábua para que o pepino absorva melhor o sal (o sal vai torná-lo ainda mais digestivo, macio e a libertar água. Desta forma não é preciso descascá-lo, sobretudo com este tipo de pepino) e descansar por 15m20190928 130617n.

Cortar o pepino em rodelas, esfregar com mais uma pitada de sal e descansar por mais 5mn.

Lavar e espremer e juntar ao molho. Servir após 15mn.20190928 131620

Atenção esta conserva rápida deve ser consumida no próprio dia pois há tendência para o pepino ficar cozido.

Molho:

Descascar e cortar o gengibre no sentido do seu crescimento em palitos fininhos.

Juntar ao gengibre o vinagre, o óleo e o shoyu.20190929 114625

Nota - Prefiro este tipo de pepino porque a sua casca é bem mais macia, é um pepino mais consistente, com menos água, com sementes mais pequenas, mais versátil a vários tipos de cortes e a meu ver, bem mais digerível. Pode que se encontrar em alguns estabelecimentos, mas, infelizmente, não é muito comum em Portugal.

Esta conserva é muito agradável, refrescante e Vitalizante pois o gengibre ativa a circulação.

Bom e Vitalizante Apetite

“Em relação às panelas de pressão que usamos para cozer arroz integral e fazer essas receitas pode ser qualquer marca? há alguma diferença no produto final que interfira na saúde?

Respondendo à importante pergunta da Margarida e não sendo uma respota rápida nem fácil de dar, resolvi ciar este texto:

Olá Margarida

Obrigada pela sua questão, ela vai completar as várias informações que já tenho dado sobre as panelas de pressão.

Realmente cozinhar o arroz integral na panela de pressão é uma forma muito Vitalizante e Energética do preparar, sobretudo se for com pressão extra, que é o meu método preferido. (Embora o arroz na panela de ferro também seja bom, sobretudo para dias quentes ou para crianças ou pessoas em processo de convalescença).

Mas escolher uma panela de pressão, sobretudo para cozinhar o arroz integral, não é, lá muito fácil, é uma escolha relativa a vários fatores, tais como:

- O método de cozimento (com ou sem pressão extra);

- Objetivos a atingir;

- Disponibilidade de tempo de cada para cozinhar;

- Disponibilidade económica, etc.

Os itens que se seguem são muito mais importantes do que ser da marca x ou y.

O primeiro item a ponderar é sobre O MATERIAL com que a panela de pressão é feita:

- O alumínio - devemos evitá-lo porque liberta partículas que podem no intoxicar, mas se for a única opção devemos retirar o arroz da panela assim que esteja pronto. Nas panelas de alumínio há que prestar atenção se o material é forte, nos dias de hoje o material é cada vez mais fraco, o que pode levar a panela a deformar-se nas bordas e um dia estarmos sujeitos a que a tampa voe, sobretudo no cozimento de pressão extra.

Eu confesso que faço o meu arroz numa panela de pressão de alumínio antiga da minha avó, pois das 10 que tenho é a que faz o melhor arroz. Para mim é mais importante que o arroz tenha a energia duma pressão extra e sem se queimar. (Mas nos dias de hoje acredito que á existam panelas de inox que trabalhem tão bem quanto esta minha. Mas ainda não a encontrei).

O inox é o material mais saudável, em panelas de pressão para cozinhar mas, se não tiver um fundo bom, grosso, ela queima muito facilmente.

A escolha do MODELO também é muito importante:

Aconselho o uso dos modelos mais simples (ver fotos abaixo)

 

 pois que os mais complicados e caros (ver foto abaixo) apesar de terem várias pressões, com o tempo deixam de fazer um bom arroz.

No fogão a gaz aconselho sempre o uso da chapa difusora que se deve colocar debaixo da panela de pressão quando esta pega pressão. Ajuda a evitar que o alimento se queime e ajuda a poupar gaz. A chapa difusora a que me refiro é composta por duas chapas unidas e furadas (ver foto abaixo) e não as chapas que as panelas “normais” funcionam nos fogões de indução.

Nos dias de hoje está um pouco difícil de encontrar este tipo de chapa, então pudemos substituir pelas antigas torradeiras de fogão.

Temos ainda as panelas elétricas de pressão que também são muito seguras e têm a facilidade que pudemos programar não só o tempo de cozedura, como também o nível de pressão. Gosto também de fazer o arroz nesta, com a máxima pressão. Mas se for para investir numa panela destas aconselho a fazê-lo numa que tenha várias pressões e que possamos controlar o tempo e temperaturas consoante a nossa necessidade.

O inconveniente é de elas serem elétricas, há quem considere que a energia elétrica interfere com a nossa saúde, que o gaz é muito mais saudável.

Aproveito para informar que devemos optar por arroz integral carolino, redondo e biológico.

Por fim relembro que SÃO IMPRESCINDIVEIS os cuidados com a segurança como limpar sempre a válvula das panelas e manter as borrachas em bom estado. (Veja aqui mais informações sobre as panelas de pressão)

Bom e Vitalizante Apetite


Perante várias perguntas sobre este assunto que poderia dizer "dá pano para mangas" deixo-vos algumas informações, fruto de 32 anos de trabalho, pesquisa e de experiencias:
O meu Pequeno-Almoço favorito número 1 é o jejum matinal. Sim, quando estou "dentro da minha rotina habitual" sabe-me bem não comer de manhã e sentir o estomago a apertar levemente e o corpinho a purificar. Também o pratico após "aqueles dias" em que como o que sei que o meu corpinho não gosta mas que a minha boca adora.
Apesar de ser saudável e Vitalizante o jejum matinal, o mesmo não é aconselhável a crianças, grávidas ou pessoas muito enfraquecidas. Este é um momento para nos sentirmos bem e que nos pode fortalecer e não o contrário;
O meu Pequeno-Almoço favorito número 2 são os waffles ou polentas de massa de arroz integral (barrados com paté) – uma massa obtida de arroz cozido. Uma massa super Nutritiva, Vitalizante e deliciosa e muito fácil de fazer (a questão é saber cozinhar o arroz integral de forma correta para que a massa seja obtida com sucesso);
Uma boa papa de arroz integral de grão inteiro ou moído, também é muito boa e pode também acompanhar o wafle;
Creme de arroz demolhado também pode ser uma excelente opção;
Outro cereal muito bom para dejejum é a aveia. Pode ser por exemplo, papa de aveia em grão. Atenção que sendo o grão muito consistente, é preciso cozinhar por 12h em lume muito baixo com chapa difusora debaixo da panela ou por 3h na panela de pressão.
Mas é mais comum e mais prático cozinha flocos de aveia que fica pronta com 10mn de fervura. Atenção, em relação a esta papa deixo duas recomendações essências:
Cozinhá-la para que a mesma seja assimilável; consumi-la na versão salgada e não doce (como é habitual e que enfraquece) ela deve ser levemente temperada c shoyu - molho de soja ou com vinagre de ameixa;
Também pode ser um bom pão integral feito por em casa ou de lojas de produtos naturais, não de padarias;
Um bom Leite de cereais, de preferência caseiro, ver no linke http://culinariavitalizanteeducativa.com/index.php/en/links-interessantes/item/46-leite-de-arroz-integral ;
Iogurtes de soja;
As granolas e mueslis estão agora muito na moda, mas não são assim tão energéticos, ao contrário do arroz integral, da aveia. Aconselho que sejam consumidos com moderação e que sejam integrais e com o menos açúcar possível.
Acima de tudo devemos comer com calma, boa mastigação e insalivação.
Bom e vitalizante Apetite

 

O Arroz Integral, para mim, é o rei dos cereais integrais, é o melhor remédio para reequilibramos o nosso organismo, segundo Franciso Varatojo: " É um alimento excelente para desenvolvimento intelectual e espiritual e de um ponto de vista físico beneficia particularmente os pulmões o intestino grosso sendo um dos melhores alimentos para tratar problemas intestinais."

Mas para ele se tornar mais digestivo, algo muito necessário sobretudo para convalescentes e crianças, eu costumo socá-lo. Com esta receita de arroz integral, para além de me deliciar simplesmente com ela, também faço risotos, ou moo-o para fazer wafles, polentas, pizzas, pasteis, etc.

Leiam a receita abaixo mas antes vejam o link desta receita que é resultado da fantástica parceria com o projecto "Vida Macro", um projeto macromaravilhoso de António Bardot: Arroz Integral Socado

RECEITA

400ml de arroz integral

800ml de água

½ colher de sobremesa de sal

Socar o arroz no liquidificador (levemente só até partir levemente a película, fica mais digestivo) e deixar de molho por 3 horas, com a água e o sal. Colocar o arroz na panela de ferro com a tampa envolvida em um pano de algodão e levar ao fogo.

Deixar inicialmente em fogo bem baixo (na posição quase a fechar o lume) por 15’, aumentando gradativamente, bem devagar, a cada 10’ até ferver, comece a baixar o fogo, também a cada 15’, para que após 1 ½ hora de cozimento o fogo esteja no mínimo e o arroz cozido.

Apague o fogo e deixe o arroz descansar tampado por 15’ e sirva.

Bom e Vitalziante Apetite

Page 1 of 13

Evento

  • Relatorio
    <iframe src="https://www.facebook.com/plugins/post.php?href=https%3A%2F%2Fwww.facebook.com%2Fmedia%2Fset%2F%3Fset%3Da.2309944895798403%26type%3D3&width=500" width="500" height="783" style="border:none;overflow:hidden" scrolling="no" frameborder="0" allowTransparency="true" allow="encrypted-media"></iframe>
Portuguese English French Spanish

Newsletter